Heidegger e a linguagem enquanto coisa

Para Heidegger, a linguagem também tem uma dimensão de “coisa”, de “utensílio”, que oculta a essência do ser. A linguagem enquanto técnica oculta o ser. A descrição mediante a linguagem de um objeto é insuficiente para chegar à essência do objeto. É mediante a poesia, no seu sentido etimológico, que se dá a abertura à verdade, na luta entre clareira e desvelamento. Em A Origem da Obra de Arte, Heidegger escreve: “Com certeza, também o poeta usa a palavra, mas não assim como os que habitualmente falam e escrevem, que precisam desgastar as palavras” (§ 87). Para o filósofo a linguagem é poiesis em sentido essencial, mas se refere nesses termos quando entende a linguagem como fala inaugural (§ 168-171).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: